Articulos Politicos mas Recientes:
24/11/2018 Heroes, Travestidos y Gatos (por Enrique G. Avogadro) :::

17/11/2018 De tragedia a farsa(por Enrique G. Avogadro) :::

10/11/2018 Estocolmos criollos (por Enrique G. Avogadro)

.. ..

O TURISMO ECOLÓGICO E A SUSTENTABILIDADE

 

AUTORIA: Maria Elisabeth Pereira Kraemer

Contadora, CRC/SC nº 11.170, Professora e Integrante da Equipe de Ensino e Avaliação na Pró-Reitoria de Ensino da UNIVALI – Universidade do Vale do Itajaí. Mestre em Relações Econômicas Sociais e Internacionais pela Universidade do Minho-Portugal. Doutoranda em Ciências Empresariais pela Universidade do Museu Social da Argentina. Integrante da Corrente Científica Brasileira do Neopatrimonialismo e da ACIN – Associação Científica Internacional Neopatrimonialista.

 

ENDEREÇO: Avenida Joca Brandão nº 111, Edifício Dona Emília, apto 902 - Centro. CEP 88.301-300 - ITAJAÍ – SC –

 

E-mail: beth.kraemer@terra.com.br

 

TELEFONE/FAX: (0XX) 47-3446558

O TURISMO ECOLÓGICO E A SUSTENTABILIDADE

RESUMO

No mundo atual, é visível a preocupação cada vez maior com os resíduos e efluentes descartados, com a poluição, com a perda da biodiversidade, com fenômenos como o aquecimento global causado, sobretudo, pela queima de combustíveis fósseis e com outras agressões causadas pelo homem à natureza, como resultado de suas atividades. Devido à tais preocupações, foram obtidas, nos últimos anos, importantes conquistas ambientais, com participação de movimentos ecológicos e demais interessados na preservação do nosso patrimônio natural. Empresários de vários setores, inclusive do turismo, começaram a adotar posturas ambientais corretas. Neste sentido, o ecoturismo começou a disparar, pois utiliza de forma sustentável o patrimônio natural e cultural, incentiva sua conservação e busca a formação de uma consciência ambientalista através da interpretação do ambiente, promovendo o bem-estar das populações envolvidas.

1 – INTRODUÇÃO

O setor de turismo é um dos que mais tem crescido nos últimos anos. Está ligado diretamente ao meio ambiente, sendo capaz de expor nosso patrimônio natural e cultural, onde a natureza é o produto a ser vendido. Se não for planejado corretamente, acaba-se transformando num fator de poluição e destruição.

O ecoturismo é o segmento do turismo que possibilita valorizar e preservar o patrimônio, viabilizando retornos econômicos, proporcionando uma educação ambiental, através da conscientização da importância da preservação do meio ambiente, gerando benefícios para comunidade. Possibilita a eficácia e eficiência na atividade econômica, mantendo a diversidade e estabilidade do meio ambiente, atuando como instrumento de orientação, sensibilização e equilíbrio entre os desgastes causados pelo desenvolvimento econômico e a necessidade de preservar o meio ambiente.

O conceito de desenvolvimento sustentável já se firmou o bastante para incorporar, com clareza e de forma indissolúvel as dimensões econômicas, ambientais e sociais das ações humanas e suas conseqüências sobre o planeta e os seres que o habitam.

Nesse contexto, o ecoturismo utiliza de forma sustentável, o patrimônio natural e cultural, incentiva sua conservação e busca a formação de uma consciência ambientalista, através da interpretação do ambiente, promovendo o bem-estar da população envolvida.

2 – MEIO AMBIENTE

A percepção de que a degradação ambiental já estava passando a causar graves problemas de saúde ficou evidenciada na Inglaterra, região de Londres, por um evento ocorrido entre 4 e 13 de dezembro de 1952. Moura (2002) diz que, nessa época, grande parte das indústrias, sobretudo as de geração de energia elétrica e residências, usavam carvão para produção de energia que, em sua queima, sem posterior tratamento dos gases, emitia grande quantidade de enxofre e material particulado na atmosfera, ocasionando um fenômeno denominado "smog"- contração das palavras "smoke"e "fog".

Mas foi na década de 60 que a situação de descaso às emissões poluentes começou a mudar. Nesta década, o Clube de Roma divulgou um relatório denominado "Os Limites para o Crescimento", que por meio de simulações matemáticas foram feitas as projeções de crescimento populacional, poluição e esgotamento dos recursos naturais da Terra.

Outro acontecimento marcante para a questão ambiental foi a Conferência sobre Meio Ambiente Humano, em 1972, em Estocolmo, permanecendo a oposição entre meio ambiente e crescimento econômico mencionado no relatório "Os Limites para o Crescimento". Nesta Conferência, o Meio Ambiente foi definido como sendo o sistema físico e biológico global em que vivem o homem e outros organismos, um todo complexo com muitos componentes interagindo com seu interior.

Foi, também, na década de 70, que surgiu o conceito de "Desenvolvimento Sustentável", que admite a utilização dos recursos naturais de que temos necessidade hoje, para permitir uma boa qualidade de vida, porém sem comprometermos a utilização desses mesmos recursos pelas gerações futuras.

Na Alemanha, em 1978, surge o "selo ecológico", destinado a rotular os produtos "ambientalmente corretos", ou seja, aqueles que não envolvessem o descarte indevido à natureza de resíduos gerados em seu processo produtivo, ou em sua utilização.

Passou a ser exigida nos Estados Unidos, também nesta década, a realização de Estudos de Impacto Ambiental (EIA), como pré-requisito à aprovação de empreendimentos potencialmente poluidores.

Na década de 80, surgiram em muitos países, leis regulamentando a atividade industrial no tocante à poluição. Também foi formalizado a realização de Estudos de Impacto Ambiental e Relatórios de Impactos sobre o Meio Ambiente (EIA-RIMA), com audiências públicas e aprovações dos licenciamentos ambientais em diferentes níveis de organizações do governo.

Nessas duas décadas (70 e 80), ocorreram os desastres ambientais de Seveso, Bhopal, Chernobyil e Basel, provocando um dramático crescimento da conscientização ambiental em toda a Europa, a que se seguiu um crescimento igualmente dramático nos Estados Unidos, onde o vazamento de petróleo do Valdez provocou intensa irritação popular.

De acordo com Callenbach (1993), os danos ambientais causados pelas catástrofes que ocuparam as manchetes recentemente são pequenos, quando comparados aos danos cumulativos, na maioria das vezes despercebidos, provocados por um enorme número de poluentes menores, a maioria deles de acordo com as regulamentações legais de seus países.

Ainda na década de 70, foi colocado em evidência o problema da destruição progressiva da camada de Ozônio por gases. Estudos realizados alertaram a humanidade sobre esse problema global que motivou o Tratado de Montreal, visando à eliminação do uso do CFC e a substituição por outros produtos.

Em 1987, foi emitido o Relatório da Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, publicado com o título de Relatório de Brundtland. Este relatório contribuiu para disseminar o conceito de Desenvolvimento Sustentável.

Na década de 80, difundiu-se, rapidamente, em muitos países europeus, a consciência de que os danos cotidianos ao ambiente poderiam ser substancialmente reduzidos por meio de práticas de negócios ecologicamente corretas. A Alemanha Ocidental, segundo Callenbach (1993), testemunhou uma explosão de produtos e serviços "eco-favoráveis".

Os gastos com proteção ambiental nos anos 80 começaram a ser vistos pelas empresas líderes não primordialmente como custos, mas sim como investimentos no futuro e, paradoxalmente como vantagem competitiva.

Na década de 90, houve grande evolução em relação à consciência ecológica. O termo "qualidade ambiental" passou a fazer parte do cotidiano das pessoas.

Nesta década, houve um evento importante no Rio de Janeiro, que foi a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, conhecida também como Cúpula da Terra, Rio 92, ou Eco 92. Os documentos principais produzidos foram a Agenda 21, a Declaração do Rio sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento e Convenções sobre o Clima e sobre Biodiversidade.

De 26 de agosto a 4 de setembro de 2002, a Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável, ou Cúpula da Terra 2 (Rio+10), reuni-se em Johannesburgo - África do Sul, donde resultaram dois documentos: a Declaração Política e o Plano de Implementação.

A Declaração Política tem como título "O Compromisso de Johannesburg por um Desenvolvimento Sustentável". Está estruturado em seis grandes temas: Desde nossas origens até o futuro - Desde os Princípios do Rio até o Compromisso de Johannesburg por um Desenvolvimento Sustentável – Os grandes problemas que devemos resolver – O compromisso de Johannesburg por um Desenvolvimento Sustentável – O multilateralismo é o futuro – Como lográ-lo.

O Plano de Implementação da Agenda 21 tem como objetivos supremos a serem alcançados: erradicação da pobreza, mudança dos padrões insustentáveis de produção e consumo, produção de recursos naturais.

Portanto, fica clara a importância da questão ambiental em qualquer discussão e também dentro dos debates da sociedade, enfatizando a consciência de preservação do meio ambiente e a evolução para a gestão da sustentabilidade.

3 – DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

No mundo atual, Almeida (2002) diz que a percepção de que tudo afeta a todos, cada vez com maior intensidade e menor tempo para absorção, gerou o processo de redefinição, conceitual e pragmático – porque não há mais tempo a perder -, o clássico desenvolvimento consumidor de recursos naturais, no qual o homem é incluído como mero animal de produção, levou à formulação do conceito de desenvolvimento sustentável.

A sustentabilidade envolve a idéia de manutenção dos estoques da natureza, ou a garantia de sua reposição por processos naturais ou artificiais, ou seja, precisa-se olhar com cuidado a capacidade regenerativa da natureza. Para Moura (2000), o conceito de sustentabilidade estará ligado, em primeiro lugar, ao uso racional do recurso, evitando-se desperdícios e adotando-se processos de recuperação e reciclagens. Em segundo lugar, a sustentabilidade poderá ser buscada através do desenvolvimento de novas tecnologias, procurando-se substitutos mais eficientes para os materiais esgotáveis.

Existem várias vertentes desse conceito, que, de acordo com Moura (2000), são: desenvolvimento social, econômico, ambiental, político e tecnológico.

Para colocar esses conceitos em prática, Coelho (2002) diz que há pré-requisitos indispensáveis como:

- Democracia e estabilidade política;

- Paz;

- Respeito à Lei e à propriedade;

- Respeito aos instrumentos de mercado;

- Ausência de corrupção;

- Transparência e previsibilidade de governos;

- Reversão do atual quadro de concentração de renda em esferas local e global.

Segundo o Programa das Nações Unidas para o Ambiente, CMMAD (1991), o Desenvolvimento Sustentável pode melhorar a qualidade de vida das pessoas. Deve ser encarado como um objetivo a ser alcançado por todo o mundo, enfatizando a importância da superação das disparidades entre países ricos e pobres como meio de alcance do sucesso. A busca do Desenvolvimento Sustentável exige mudanças nas políticas internas e internacionais de todas as nações, sendo fundamental a união de todos para se conseguir esse desenvolvimento.

Os objetivos do Desenvolvimento Sustentável, segundo CMMAD (1991), são o retorno ao crescimento, combate à pobreza, que impossibilita as pessoas de satisfazerem suas necessidades básicas, além de utilizarem os recursos naturais de modo insustentável. Além do crescimento, é necessário que o desenvolvimento seja eqüitativo, atenda às necessidades essenciais de emprego, alimentação, ou seja, necessidades humanas, o controle do nível populacional, a conservação e melhoria da base dos recursos, já que é muito mais caro limpar o que já foi poluído do que preservar. É necessária uma mudança no estilo de vida dos países para que sejam compatíveis com os recursos disponíveis, um empenho político que viabilize o desenvolvimento, a inclusão do meio ambiente e a participação dos cidadãos no processo decisório.

A base do desenvolvimento sustentável é um sistema de mercados abertos e competitivos que conforme Almeida (2002) os preços refletem com transparência os custos, incluindo os ambientais.

4 – TURISMO

É uma atividade econômica representada pelo conjunto de transações – compra e venda de serviços turísticos – efetuadas entre os agentes econômicos do turismo. De acordo com a EMBRATUR (2002), é gerado pelo deslocamento voluntário e temporário de pessoas para fora dos limites da área ou região em que têm residência fixa, por qualquer motivo, excetuando-se o de exercer alguma atividade remunerada no local que visita.

O turismo atual surge após a revolução industrial através do avanço tecnológico que proporcionou a melhoria dos transportes e o desenvolvimento da economia. Após a revolução Industrial surge uma preocupação maior com o ser humano, e o turismo passa a ser um complemento para o aprendizado.

É uma atividade econômica, geradora de riqueza, estando o seu desempenho relacionado ao comportamento da renda e sua distribuição e ao tempo livre disponível. O turismo é fruto da sociedade industrial e das conquistas sociais. Pode ser considerado um redistribuidor de renda, isto é, movimenta dinheiro em várias direções, durante toda a estada do turista. Ocorre, desta forma, um efeito multiplicador que se caracteriza pela entrada de capital (dinheiro) nacional ou estrangeiro num país ou região, produzindo riqueza, aumentando consumo e produção devido às novas necessidades de produtos e serviços criadas pelo turismo.

Ruschmann & Rodrigues (1994) declaram que durante o seu desenvolvimento o turismo apresentou fases de relacionamento com o meio ambiente, a primeira fase foi de descoberta do meio ambiente, no segundo momento a proteção era algo desnecessário, tendo em seguida uma modificação e degradação rápida do meio ambiente através do turismo de massa, onde ocorreu um domínio brutal do turismo sobre a natureza, a quarta fase foi a de reparação e renovação do turismo através da revalorização do meio ambiente tendo como norte o conceito de Desenvolvimento Sustentável e posteriormente o ecoturismo.

O turismo pode ser considerado um redistribuidor de renda, isto é, movimenta dinheiro em várias direções, durante toda a estada do turista. Ocorre, desta forma, um efeito multiplicador que se caracteriza pela entrada de capital nacional ou estrangeiro num país ou região, produzindo riqueza, aumentando consumo e produção devido às novas necessidades de produtos e serviços criadas pelo turismo.

Hoje o turismo vem crescendo de maneira extremamente veloz no mundo, sendo um setor promissor já que possibilita a expansão do mercado de trabalho, a geração de emprego e a distribuição mais justa da renda.

O turismo deve respeitar a compatibilidade do uso com a proteção do meio ambiente. Queiroz (2002) diz que várias medidas podem ser adotadas para diminuir os impactos ambientais do turismo como o controle, redução ou eliminação dos produtos nocivos ao meio ambiente natural, o respeito aos interesses da população local, como suas tradições e cultura, o zelo pela preservação de áreas protegidas ou ameaçadas.

Segundo o mesmo autor, atualmente o planejamento da evolução do turismo através do enfoque do Desenvolvimento Sustentável apresenta-se como a forma preventiva ideal para proteção dos meios visitados, conservando a natureza, oferecendo conforto e satisfação ao turista sem agredir a originalidade das comunidades respectivas.

5 – ECOTURISMO

A sustentabilidade de um meio turístico depende necessariamente do tipo de turismo que ocorre na área e que este poderá ser um instrumento de sustentação do modelo de desenvolvimento ecológico, exigido pelas grandes transformações no modo de vida em todo globo terrestre.

Neste sentido, Ruschmann (2000) diz que, busca-se então, uma forma de turismo em que a preservação da natureza esteja em combinação com o fluxo turístico e tal situação, encontra sua expressão ideal no ecoturismo.

Para Beni (1999) o ecoturismo é uma denominação dada ao deslocamento de pessoas a espaços naturais delimitados e protegidos pelo Estado, iniciativa privada ou controlados em parceria com associações locais e ONGs. Pressupõe sempre uma utilização controlada da área com planejamento de uso sustentável de seus recursos naturais e culturais, por meio de estudos de impacto ambiental, estimativas da capacidade de carga e suporte do local, monitoramento e avaliação constante, com plano de manejo e sistema de gestão responsável. É claro que todas as atividades previstas no turismo ecológico podem, em geral, ser realizadas, desde que rigorosamente observadas as restrições de uso desses espaços. Para que uma atividade se classifique como ecoturismo, são necessárias quatro condições básicas: respeito às comunidades locais; envolvimento econômico efetivo das comunidades locais; respeito às condições naturais e conservação do meio ambiente e interação educacional – garantia de que o turista incorpore para a sua vida o que aprende em sua visita, gerando consciência para a preservação da natureza e dos patrimônios históricos, cultural e étnico.

O ecoturismo para ter sucesso são necessárias algumas etapas, tais como: pesquisa da oferta e demanda; zoneamento turístico-ecológico; seleção de áreas prioritárias; elaboração de projetos de infra-estrutura e execução e controle do projeto.

O caminho ideal para o ecoturismo, conforme EMBRATUR (2002), é o que se chama desenvolvimento sustentável. Este conceito propõe a integração da comunidade local com atividades que possam promover a conservação e o uso sustentável dos recursos naturais e culturais.

Nos últimos anos, o Ecoturismo vem crescendo rapidamente, aumentando a procura por este tipo de turismo, o número de publicações, de programas de TV, de órgãos ligados ao assunto, etc.

Para a EMBRATUR (2002), existem diversas hipóteses para tentar explicar o porquê de as pessoas estarem buscando esse tipo de atividade. As mais comuns são a preocupação com o meio ambiente, maior conscientização ecológica e uma maneira de fugir da rotina e do estresse dos grandes centros urbanos.

Trata-se, portanto, de acordo com Ruschmann (2000) de um "novo turista" que se constitui em um nicho de mercado de pessoas ambientalmente conscientizadas que, na busca do contato com ambientes naturais preservados, atuam no sentido da conservação do ecossistema visitado e contribuindo para a sua sustentabilidade.

5.1 – ECOTURISMO COMO INSTRUMENTO DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE

Em vista da crescente e grave ameaça que paira sobre os recursos naturais em todo o mundo, surgiu nas últimas décadas uma grande preocupação de cunho preservacionista, o que culminou nas grandes reuniões planetárias como a Conferência Das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, a Rio-92.

Foi assinada nessa conferência, a Convenção sobre Diversidade Biológica; importantíssimo documento sobre a temática preservacionista, onde em seu art. 2º, define biodiversidade ou diversidade biológica como a variabilidade de organismos vivos de todas as origens, compreendendo, dentre outros, os ecossistemas terrestres, marinhos e outros ecossistemas aquáticos e os complexos ecológicos de que fazem parte; compreendendo ainda a diversidade dentro de espécies, entre espécies e de ecossistemas.

Seu estudo, conforme Santos (2002) tem importância direta para a preservação ou conservação das espécies, pois entendendo a vida como um todo teremos mais condições de preserva-la, bem como é de suma importância para o nosso desenvolvimento, resultando o aproveitamento dos recursos biológicos para que sejam explorado de maneira menos prejudicial à natureza, conservando-a o mais possível, permitindo a harmonia entre o desenvolvimento das atividades humanas e a preservação, chamando-se isso modernamente de desenvolvimento sustentável.

A biodiversidade é de uma importância vital para nós, na medida em que a nossa vida e os nossos meios estão dependentes dela. É uma extraordinária fonte de recursos alimentar e energético que pode ser plenamente utilizada pelo homem, o que praticamente não acontece, bem como o Brasil é o país de maior diversidade de vida possuindo entre 10 e 15% de toda a biodiversidade do planeta.

A conservação da diversidade biológica deixa assim de ser abordada unicamente sob o seu aspecto da proteção das espécies e dos ecossistemas ameaçados. Ela passa a ser considerada como um elemento fundamental do progresso na via do desenvolvimento sustentável.

Neste sentido, temos o turismo ecológico que está voltado para ambientes nativos, onde a atividade se caracteriza, principalmente, pela interação entre o homem e a natureza.Esse tipo de turismo utiliza, de forma sustentável, o patrimônio natural e cultural, incentiva sua conservação e busca à formação de uma consciência ambientalista, através da interpretação do ambiente, promovendo o bem-estar da população envolvida.

É uma atividade que, em primeiro lugar, promove o encontro do homem com a natureza de forma a compreender os ecossistemas que mantém a vida, As atividades são desenvolvidas através da observação do ambiente natural, através da transmissão de informações e conceitos ou através da simples contemplação da paisagem.

No turismo e na comunidade que os hospeda segundo Tavares (2002), este processo auxilia no desenvolvimento da consciência da própria existência em equilíbrio na natureza, visando, ainda, a manutenção da qualidade de vida das gerações futuras. Este aprendizado conjunto permite a todos os conjuntos envolvidos, a possibilidade de transformar seu comportamento cotidiano. Para o turista, que em geral, vem das grandes cidades, a realidade urbana com a qual convive rotineiramente, passa a ser questionada gerando reflexões sobre poluição dos centros urbanos, manutenção de áreas verdes, destinação e reciclagem de lixo e qualidade de vida. Objetiva-se, assim, a incorporação e tradução destas reflexões na forma de comportamento e posturas no seu meio ambiente de origem. Mas o grande legado deixado ao turismo é a consciência da importância de se preservar o ambiente natural, a história e a cultura dos lugares de visitação.

O ecoturismo é turismo de baixo impacto, devendo gerar o menor desgaste possível ao meio ambiente e as comunidades, respeitando suas leis, cultura e principalmente seu equilíbrio e tranqüilidade.

Atualmente, o planejamento da evolução do turismo através do enfoque do Desenvolvimento Sustentável apresenta-se como a forma preventiva ideal para proteção dos meios visitados, conservando a natureza, oferecendo conforto e satisfação ao turista sem agredir a originalidade das comunidades receptivas.

A atividade turística ocupa papel importante no mundo moderno, por movimentar grande quantidade de dinheiro e contribuir para o crescimento da economia. Dos segmentos do turismo, o Ecoturismo é o que mais cresce. É um fenômeno característico do final do séc. XX, em conseqüência da crescente preocupação com o meio ambiente. É o segmento que mais se aproxima da proposta de Desenvolvimento Sustentável.

6 – DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E ECOTURISMO

A sustentabilidade ecológica é um elemento essencial dos valores básicos que fundamentam a mudança da globalização. Por isso, várias ONGs, institutos de pesquisa e centros de ensino pertencentes à nova sociedade civil global, segundo Capra (2002) escolheram a sustentabilidade como o tema específico de seus esforços. Com efeito, a criação de comunidades sustentáveis é o maior desafio dos nossos tempos.

De acordo com o código de ética difundido pela OMT (Organização Mundial do Turismo), os empreendedores do setor de turismo, bem como os funcionários da atividade e os turistas, devem observar as condições naturais do ambiente, bem como as tradições culturais e sociais e as práticas de todas as populações nativas, incluindo as minorias e os grupos indígenas, assim como o reconhecimento do valor destes. Neste contexto, a atividade turística deve ser conduzida em harmonia com a natureza e com os atributos e tradições dos núcleos turísticos receptores e em respeito com suas leis, práticas e costumes.

Teixeira (2002), diz que é necessário o desenvolvimento do turismo em bases eco-sustentáveis, de forma que este possibilite conciliar o interesse das atividades turística com a urgente necessidade de poupar e preservar os recursos naturais, para que as gerações atuais e também vindouras, não tenham sua qualidade de vida afetada negativamente.

A Agenda 21 traz no capítulo 9, seção II, duas considerações que se relacionam diretamente com a atividade de turismo. A primeira diz respeito à energia, fator-chave para o desenvolvimento de qualquer setor. Segundo a agenda, as formas atuais de produção, transmissão, distribuição e consumo de energia não podem atender às necessidades crescentes de modo sustentável, sendo que o uso da mesma deve respeitar a atmosfera, a saúde humana e o meio ambiente como um todo. Neste contexto, maior ênfase deve ser dada à utilização de fontes novas e renováveis de energia.

A indústria da hospitalidade, de acordo com Teixeira (2002), é uma grande consumidora de energia e por isso, devem ser incluídas, no planejamento turístico para determinada localidade, soluções alternativas que visem à racionalizar o consumo de energia.

Outra proposta que se encontra na Agenda 21, também no capítulo 9, seção II e que está relacionada ao turismo é a de: "Limitar, reduzir e controlar as emissões atmosféricas do setor de transportes, particularmente o terrestre, transformando-o num sistema menos poluente e mais seguro".

O deslocamento turístico, segundo Teixeira (2002) implica na utilização de sistemas de transporte e o transporte de superfície, em especial, é um grande poluidor da natureza, posto que emite o dióxido de carbono para o ar, um dos gases componentes do CFC’s – clorofluorcabonetos, responsáveis pela destruição da camada de ozônio que protege a terra contra os raios solares nocivos. Com a destruição desta camada de ozônio surge o chamado Efeito Estufa, que está entre os problemas ambientais mais graves, representando uma ameaça à manutenção do equilíbrio ecológico necessário à sobrevivência das diversas formas de vida existentes no planeta. O Efeito Estufa é responsável pelo aquecimento global e, conforme previsões de alguns cientistas cidades como Nova York, Veneza e Rio de Janeiro tenderão a desaparecer devido ao aumento do nível do mar. Posto isto, verifica-se que turismo nessas regiões estaria totalmente comprometido, além dos danos causados as comunidades locais.

A OMT, através da sua Assembléia Geral, fez claras referências acerca da importância de promover a implantação das Convenções Internacionais sobre o Ambiente e Desenvolvimento, incluindo a da Mudança Climática. Também a OMT criou o Comitê Mundial de Ética do Turismo encarregado de interpretar e aplicar as disposições do Código Ético Mundial para o Turismo, servindo de referência para diversos atores do setor, garantindo proteção ambiental e ao patrimônio cultural, assim como uma distribuição equilibrada dos benefícios do turismo.

Paralelamente a essas ações normativas, e devido a que as atividades do ecoturismo, Verdinelli (2002), diz que por sua própria concepção são ambientalmente sustentáveis, tiveram uma rápida expansão no mundo e terão, espera-se, crescimento no futuro, a organização das Nações Unidas, reconhecendo sua importância global, designou o Ano 2002 como o Ano Internacional do Ecoturismo. Para a preparação e coordenação dos eventos programados a OMT e a UNEP – Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, unirão seus esforços, sob a premissa do desenvolvimento sustentável.

As atividades do ecoturismo sem dúvida, minimizam os impactos negativos sobre o ambiente natural e sócio-cultural, transformando-se num suporte à proteção das áreas naturais, gerando benefícios econômicos para as comunidades de stakelholders, promovendo empregos alternativos e oportunidades, sem interferir na diversidade cultural.

O Ano Internacional do Ecoturismo para Verdinelli (2002) poderá oferecer uma oportunidade impar para rever as experiências nos mais diversos ambientes, no sentido de consolidar ferramentas e as estruturas institucionais que garantam seu desenvolvimento sustentável no futuro. Do debate e deliberações que venham acontecer durante a Reunião Principal programada, espera-se que se estabeleçam diretrizes que sirvam de subsídios para maximizar os benefícios ambientais, econômicos e sociais do ecoturismo, enquanto se evitam os impactos negativos ocorridos no passado.

7 – CONCLUSÃO

O reconhecimento de que é necessária uma profunda mudança de percepção e de pensamento para garantir a nossa sobrevivência ainda não atingiu muitas pessoas. O conceito de sustentabilidade adquiriu importância-chave no movimento ecológico e é realmente fundamental. Este é o grande desafio do nosso tempo: criar comunidades sustentáveis, isto é ambientes sociais e culturais onde podemos satisfazer as nossas necessidades e aspirações sem diminuir as chances das gerações futuras.

A promoção do turismo no quadro do desenvolvimento sustentável, de acordo com Verdinelli (2002), implica na atenção das necessidades dos turistas atuais e dos países e regiões hospedeiras, enquanto se protegem e ressaltam as oportunidades para o futuro, com uma gestão responsável dos recursos ambientais, culturais, ecológicos, econômicos e sociais.

O ecoturismo é um meio de se obter o desenvolvimento sustentável e, conseqüentemente, contribuir para o desenvolvimento socioeconômico, representando um gerador de emprego e renda, além de beneficiar as populações envolvidas. É uma atividade econômica sustentável que visa a preservação da riqueza ambiental e contribui para a melhoria de vida das comunidades envolvidas, além de possibilitar uma nova consciência a todos os envolvidos, direta ou indiretamente, através da educação ambiental que enfatiza a importância da preservação do nosso meio ambiente.

8 – REFERÊNCIAS

AGENDA 21. Senado Federal. Subsecretaria de Edições Técnicas. Brasília, 1996.

BENI, M. C. Análise estrutural do turismo. 3 ed. São Paulo: SENAC, 1999.

CALLENBACH, E. CAPRA, F. Gerenciamento ecológico. São Paulo: Cultrix, 1993.

CAPRA, F. As conexões ocultas: ciência para uma vida sustentável. São Paulo: Cultrix, 2002.

CMMAD – Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento – Nosso Futuro Comum, 2. ed., Rio de Janeiro. Ed. da Fundação Getúlio Vargas, 1991.

COELHO, F. O bom negócio da sustentabilidade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002.

MOURA, L. A. A. Qualidade e gestão ambiental. Sugestões para implantação das normas ISO 14.000 nas empresas. São Paulo: Juarez de Oliveira, 2002.

MOURA, L. A. A. Economia ambiental. gestão de custos e investimentos. São Paulo: Juarez de Oliveira, 2000.

QUEIROZ, K. T. Desenvolvimento sustentável e ecoturismo: observações sobre o PROECOTUR no Estado do Acre. <http://www.ufac.br>. Acesso em 02 set.2002.

RUSCHMANN, D. V. de M. Planejamento e ocupação do território através da expansão da atividade turística: condicionamentos básicos a partir da questão ambiental, in Turismo e Ambiente: reflexões e propostas. São Paulo: Ed. Hucitec, 1997.

RUSCHMANN, D. V. de M. A experiência do turismo ecológico no Brasil: um novo nicho de mercado ou um esforço para atingir a sustentabilidade. Turismo Visão e Ação. Revista Científica do Mestrado em Turismo e Hotelaria da Universidade do Vale do Itajaí. Itajaí, SC: ano 2, n.5, p.81-90, out-1999/ mar-2000.

SANTOS, A. S. Biodiversidade: definição e importância. <http://www.aultimaarcadenoe.com.br>. Acesso em 06 set.2002.

TAVARES, J. Turismo predatório/ecoturismo. <http://www.planetavivo.org.br>. Acesso em 06 set.2002.

TEIXEIRA, A. Turismo sustentável: mito ou realidade? www.ecolatina.com.br. Acesso em 01 set. 2002.

VERDINELLI. M. E. P. A problemática da mudança global no turismo. Turismo Visão e Ação. Revista Científica do Mestrado em Turismo e Hotelaria da Universidade do Vale do Itajaí. Itajaí, SC: ano 4, n.10, p.9-26, out-2001/ mar-2002.

<http://www.world-tourism.org.> OMT Acesso em 8 set. 2002.

<http://www.embratur.gov.br> Acesso em 18 out. 2002.

COMENTAR ESTE ARTICULO
Su Nombre
Su email
Comentario
 
(El comentario será evaluado previo a ser publicado en la página con su nombre + email) Las respuestas, aparecerán en la página consultada
Enviar Mensajes Públicos Enviar Mensajes Públicos
Articulos más leidos
: : : TORAX OSEO
: : : ETMOIDES, ESFENOIDES, PARIETALES, OCCIPITAL
: : : Arteria Aorta y sus ramas
: : : Nutricion, Energia y Metabolismo
: : : ARTICULACIONES
: : : Arteria Aorta y sus ramas
: : : GENERALIDADES DE MUSCULOS. MUSCULOS DE LA CABEZA
: : : MIEMBRO SUPERIOR OSEO
: : : Trabajo Practico Nº2 d
: : : Aparato Digestivo II
: : : MUSCULOS DEL TÓRAX, LA PELVIS, MIEMBROS SUPERIOR E INFERIOR
: : : Trabajo Practico Nº2 d
: : : Sistema Nervioso
: : : HUESOS DEL CRANEO: Temporal
: : : La célula
: : : MUSCULOS DEL CUELLO
: : : Trabajo Practico Nº2 a
: : : Trabajo Practico Nº1
: : : COLUMNA VERTEBRAL
: : : CINTURAS PELVIANA Y ESCAPULAR
: : : MIEMBRO INFERIOR
: : : Aparato Digestivo
: : : Aparato Digestivo
: : : Huesos de la CARA
: : : Aparato digestivo
: : : La piel - Esqueleto Oseo, Cráneo: el Frontal
: : : Trabajo Practico Nº2 a
: : : Cuál es tu dosha ? (Ayurveda)
: : : Tabla de indice glicemico
: : : Consecuencias de la alimentación inadecuada
: : : Cirugia adenoidea (de las vegetaciones adenoides)
: : : Nervio olfatorio I primer par craneal
: : : Vértigo y enfermedad de meniere
: : : Cirugia de amigdalas
: : : Sindrome y Cefalea Tensional
: : : SERC betahistina
: : : Abceso o flemón periamigdalino
: : : Adenoidectomía en paciente con Hemopatía de VON WILLEBRAND
: : : Sindrome de Samter
: : : Hipoacusia Súbita
: : : Nervio optico, el segundo par craneal
: : : Sindrome de Beckwith Wiedemann
: : : Amigdalas (palatinas)
: : : Adenoides o crecimiento de tejido linfoideo detras de la nariz
: : : Argentina es el Tercer Mundo con gente bien vestida y rostro bonito
: : : Test de lesbianismo
: : : Principios básicos de electricidad
: : : La comunicación
: : :
Alfinal.com no se responsabiliza por el contenido de los artículos publicados.
Si el contenido de algun artículo ofende a terceros, comuniquelo a Alfinal.com
www.alfinal.com - Todos los derechos reservados 2012